quarta-feira, 18 de junho de 2014

Mulheres negras e a tripla opressão: racismo, machismo e lesbofobia.

O patriarcado é uma estrutura que se sustenta em desigualdades e opressão, se mantém pela manutenção de privilégios concedidos aos homens em detrimento das mulheres. Para que isso fosse possível e perpetuado, o patriarcado adotou métodos para marcar os corpos. Ele reduziu às pessoas à suas genitálias e, a partir disto, uma série de regras foram construídas para controlar estes corpos e determinar hierarquias podendo ser violentamente punidos todxs aquelxs que se distanciam destes ideais. As opressões sofridas pelas mulheres derivam destas construções e hierarquias criadas a partir de uma norma imposta sobre o que são os gêneros e que toma como base um princípio biológico.

 A opressão racista também se fundamentou em princípios biológicos para respaldar o racismo. A Ciência foi extremamente usada na perpetuação de ideologias racistas que tentavam reduzir negros e negras ao grau de sub-espécie humana, primitiva, e que parou na escala evolutiva não alcançando o status máximo evolutivo do homem branco europeu.

 Essas opressões foram naturalizadas dentro das sociedades e se manifestam nas diversas esferas seja pública ou privada, independente da idade e da condição social. O machismo e o racismo afetam diretamente a dignidade humana das mulheres negras e ocorrem com agraves se levamos em consideração a questão da sexualidade, quando essas mulheres não se enquadram de acordo com os ideais da heteronormatividade compulsória.

Ser mulher negra no patriarcado racista é viver as opressões ditadas sobre o seu gênero e, além destas opressões, vivenciar o racismo como um fator potencializador, o que a coloca na base da pirâmide social como sendo, dentre todxs as pessoas, a mais marginalizada dentro desta estrutura, atrás da mulher branca e do homem negro respectivamente, sendo ao menos vista como mulher. Ser uma feminista negra é  vivenciar, em todos os âmbitos de sua vida, estas opressões, é saber que a questão racial está na frente das opressões que sofre, visto que isto influencia nas formas com que o machismo a atinge e, acima de tudo,  saber que sua liberdade só virá pela dupla queda obrigatória dos sistemas de opressão racista e machista. Se ainda houver racismo, ainda haverá opressão sobre negras e negros.

E o que pensar se esta mulher for lésbica?l Ser lésbica negra é ter sua identidade sequestrada, apagada, invisibilizada. O patriarcado dita que mulheres negras são animais fêmeas para o consumo masculino e que só existem na heterossexualidade. Quando lésbicas, sua existência é negada. Uma mulher negra lésbica no patriarcado vivencia essas opressões em todos os âmbitos de sua vida e são vistas como uma ameaça pois são altamente subversivas pelo simples fato de existirem - já que isto lhe é negado. Por todos esses motivos elas correm 3 (três) vezes mais riscos e são 3 (três) vezes mais marginalizadas por serem negras, por serem mulheres e por serem lésbicas.

A batalha feminista destas mulheres é pelo acesso a igualdade de direitos e justiça na sociedade em que vivem e, além disso, também poder exercer o direito de poder existir da melhor forma possível e como são: negras lésbicas e diversas. Só a partir da tomada de consciência de que diversas formas de opressões nos atinge de formas diferentes, assim como trabalhá-las dentro de nossas lutas será possível, não só para mulheres negras lésbicas, mas também para toda a diversidade de mulheres, viver num mundo mais justo livre das violências do heteropatriarcado racista.

                                                                                                          Sheu Nascimento.

fonte da imagem: blkwomenart.com

6 comentários:

Drika L.S. disse...

Sheu, parabéns pelo texto! Ótimas reflexões para nos ver e compreender no mundo em que vivemos.
Precisamos de mais pessoas assim, como você!!!
Sou sua fã!!!
beijos
^^

Sheu Nascimento disse...

Obrigada, Drica. Muito bom ter você por aqui!

SOU D+ disse...

Parabéns preta pelo belíssimo texto, temos que esta sempre nos atualizando dessas informações e claro pessoas como você é fundamental nesse processo de construção...\oo/ Precisando divulgar conte sempre comigo!

Sheu Nascimento disse...

Obrigada! Estamos juntas!

Cah J. Domingues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cah Jota disse...

Existimos em todos os lugares, somos muitas, porém espalhadas nos sentimos poucas, ler textos assim nos empoderam, nos fortalecem sempre a continuar lutando contra essas opressões que afligem a nós e a outras. Sororidade sistas!